26
Out 11
publicado por Nuno Amado, às 15:00link do post | comentar

Em linguagem futebolística, o início do copo de água corresponde ao intervalo do casamento. A distribuição de croquetes e gin tónicos acompanhada de alguma conversa banal e de muitas fotografias, permite aos convidados algum descanso antes da esperada refeição. Como no passado alguém achou boa ideia transformar os casamentos em conceitos, hoje em dia é raro que os noivos não sejam obrigados a escolher um tema para a sua boda. Assim, há casamentos onde cada mesa é uma praia que os noivos frequentam, outros em que cada mesa é um doce de que eles gostam, um dos destinos da lua-de-mel, e por aí fora. Infelizmente nunca estive num casamento onde cada mesa fosse um personagem da Guerra das Estrelas, não conseguindo decidir-me se a mesa dos noivos seria a do Luke Skywalker ou do Darth Vader.

O destino dos solteiros depende, em larga parte, da mesa onde calharam. O Manuel pode ter a sorte de calhar na mesa Rouxinol, onde estão as duas solteiras mais bonitas da boda, ao passo que o Luís pode ter o azar de ir parar à mesa Pardal, onde todos os outros comensais são casais, ou, pior ainda, ter de jantar na mesa Avestruz na companhia da sua ex-namorada.

 

A conversa das mesas de casamento é tão específica que devia existir um nome para ela. Apesar de todos participarmos neste ritual esquecemos com facilidade a estranheza deste. No fundo, é como se numa ida a um restaurante o empregado nos anunciasse que o serviço estava particularmente lento e nos sentasse numa mesa com desconhecidos para uma refeição de, no mínimo, duas horas.

 

Enquanto os convidados se vão conhecendo melhor, trocando piadas sobre os noivos ou debatendo como chefs o menu do casamento, os brindes iniciam-se e a taxa de alcoolemia começa a subir. Após a distribuição e consumo dos vários pratos com descrições demasiado detalhadas (porco estufado em sumo de cebola acompanhado de batatas peladas, esmurradas e salteadas), já se formaram novas amizades, se iniciaram seduções, se estabeleceram negócios e, para alguns casais, se arranjou motivos para futuras discussões.

 

Servidos os cafés chega o momento da valsa. Com mais ou menos prática os noivos lá tentam, sorrisos tão abertos como se estivessem num anúncio de pasta dos dentes, manter-se dentro da pista sem se pisarem demasiado.

 

O bailarico inicia-se geralmente com uma série de canções nostálgicas. A pista é invadida por muitos casais que, como os condutores que só guiam ao domingo, só dançam em casamentos. Pisadela aqui, cotovelada ali, a pequena multidão dança o twist, a bamba e os melhores êxitos dos anos 80. Há sempre um idoso demasiado dedicado prestes a ter um ataque cardíaco e algumas crianças para quem esta é a primeira vez a dançar numa pista, ocasião que é tratada com o entusiasmo e a hiperactividade necessários. Vista de fora, a dança do casamento é uma das celebrações mais comoventes e caóticas do espírito humano. Experimentada de dentro é como se passassem música no metro na hora de ponta. É, também, uma das melhores formas de sedução, como é possível ver pelo esforço suplementar dos solteiros: elas tentando parecer leves, elegantes e femininas e eles, a partir de certa altura, procurando mostrar que são capazes de não tropeçar.

 

Após CD e meio de greatest hits as mulheres solteiras são convocadas para a mais cruel das tradições: o lançamento do bouquet. Não só são agrupadas num pequeno rebanho, como este se torna no centro das atenções e todos os presentes passam a saber que estas ainda não se safaram. Para cúmulo da humilhação, espera-se que elas se batalhem, como avançados e defesas centrais num canto, por meia dúzia de flores que talvez, e só talvez, lhes aumente a possibilidade de se conseguirem casar.

 

Ultrapassada esta prova olímpica o casamento continua. A pista começa a ter menos pessoas, os convidados de maior idade começam a partir e alguns futuros casais já podem ser vistos sentados em mesas periféricas, debicando uma fatia de bolo e falando de como é incrível ainda não se terem conhecido antes.

 

Mais tarde ou mais cedo, sozinhos, acompanhados ou arrastados os convidados lá abandonam o casamento. Desapertam-se as gravatas, descalçam-se os terríveis sapatos de salto alto e lá se volta a casa após esta pequena odisseia que foi devidamente registada em formato fotográfico e, para terror dos futuros espectadores, em filme.


mais sobre mim
Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
19
20
21
22

23
24
25
27
28
29

30
31


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO